Espaço de formação e debate para estudantes

Quarta, 23 de Maio de 2012

por Acabra .Net

Para promover um debate profundo sobre questões relativas à garantia de qualidade do ES, o pelouro da Pedagogia da DG/AAC organiza o I Meeting de Pedagogia. Por Ana Morais

Nos próximos dias 25 e 26 de maio, a direção-geral da Associação Académica de Coimbra (DG/AAC) promove o “I Meeting de Pedagogia”, com o intuito de reunir vários órgãos representativos dos estudantes para o debate “mais profundo” de questões relacionadas com a garantia de qualidade das instituições de ensino superior (IES). Exemplo mais representativo destas questões é a discussão em torno do Processo de Bolonha. A iniciativa, da responsabilidade do pelouro de Pedagogia da DG/AAC, vai contar com a participação de várias instituições ligadas ao espaço universitário e académico: Fórum Académico para a Informação e Representação Externa, Bolonha Follow-Up Group e Agência de Avaliação e Acreditação das IES, reitoria da Universidade de Coimbra e da Universidade do Porto. Também os grupos parlamentares foram convidados pela AAC para este debate. No entanto, a coordenadora geral do pelouro da Pedagogia, Leila Campos, não pode confirmar a sua presença.

Apesar de ser um espaço de formação e debate direcionado para os núcleos de estudantes da AAC, estudantes senadores, conselheiros gerais, representantes dos estudantes nos Conselhos Pedagógicos das faculdades e para outras direções associativas, as inscrições estão abertas para os estudantes no geral. Ainda assim, Leila Campos confessa que “é notório que o interesse dos estudantes por estas questões não é muito”. A discussão será entre um jantar-conferência na Cantina das Químicas, no primeiro dia, e a continuação do debate no Instituto Justiça e Paz, no dia seguinte.

“A nível europeu o estudante é bastante considerado”

Segundo a coordenadora geral do pelouro da Pedagogia, o grande objetivo é analisar com precisão o Processo de Bolonha, com personalidades que já fizeram esta análise no estrangeiro. Ao considerar que o preenchimento de inquéritos “não é suficiente”, Leila Campos pretende que o meeting permita “explorar outras vias de participação” e através disso, permitir ao estudante “ganhar importância”, uma vez que a “nível europeu o estudante já é bastante considerado”, isto é, é ouvido de forma equitativa pelos restantes atores do ES.

“É interessante repeti-lo e melhorá-lo”, partilha Leila Campos, ao espectar um possível encontro para o próximo ano.